Salvador sedia III Festival de Ilustração e Literatura Expandido no mês de maio

Crie, imagine, sonhe, ocupe! É com este mantra que o III Festival de Ilustração e Literatura Expandido vai movimentar a cena cultural de Salvador, entre os dias 4 e 7 de maio. Tendo como espaço de encontro o Palácio da Aclamação, no Campo Grande, o festival traz em sua programação, gratuita, diversas oficinas, exposições, lançamento de livro, conversas coletivas, performances, atividades infantis e sedia Feira Ladeira, acontecimento que reúne artistas gráficos, ilustradores, editores e escritores de diversas nacionalidades, em torno das artes impressas e publicações independentes. O projeto é uma realização da Movimento Contínuo com produção da Multi Planejamento Cultural e tem apoio financeiro do Governo do Estado, através do Fundo de Cultura da Secretaria da Fazenda e Secretaria de Cultura da Bahia.

Ao incorporar, nessa edição, o conceito de “expandido”, o festival ensaia propor algumas rupturas de fronteiras entre linguagens artísticas, a começar pelo tema deste ano que é “Leitura Expandida”, como explica a idealizadora e coordenadora do projeto, Flávia Bomfim. “Queremos expandir nossos entendimentos sobre a Leitura. Falamos de leitura de livros, mas também de leitura de mundos, de mãos e de corpos, de áureas e da íris, de plantas, de tempos e de nuvens, ou seja, é uma leitura que vai além do texto ou da imagem impressa, e que para alcançar camadas mais complexas precisamos reaprender a ver, e reaprender a ler” reitera.

Reconfigurando os rituais de compartilhamento de saberes e experiências, o FILExpandido traz a informalidade do encontro como premissa para essa troca. Artistas e educadores que trabalham com o livro e refletem sobre a leitura foram provocados a questionar os seus próprios fazeres em uma tentativa de des-institucionalizar os seus lugares de fala. “O que pode um livro?” e “Leitura Expandida – caminhos possíveis a partir de uma educação pela Arte” são os temas desses encontros que acontecerão nos dias 5 e 7 de maio, às 15hs.

“Ainda no sentido da dilatação de fronteiras convidamos artistas que transitam e produzem em diversas linguagens para proporem ações performáticas coletivas que nos provoquem, ainda, sobre o tema da leitura”, comenta Flávia. Para essas ações expandidas foram convidados os músicos Pedro Filho e Mariana Marin, o performer e dançarino Leonardo França, a atriz e escritora Raiça Bomfim e as artistas visuais Elena Landinez e Vânia Medeiros.

Para abertura do III Festival de Ilustração e Literatura, o artista gráfico espanhol Isidro Ferrer apresenta a conferência “Elogio à Desordem”, um convite à construção de novos olhares, sentidos e materialidades. Isidro também apresentará a exposição “Coleção de Assombros” com 36 cartazes em grande formato, criados para os mais diversos eventos, situações e ideias ao longo dos últimos 15 anos. Em seguida, o festival abre espaço para o lançamento do “Rumor”, primeiro livro de poemas da baiana Tenille Bezerra com participação especial de Mateus Aleluia. A noite de abertura encerra com um duo entre os músicos Mateus Aleluia e Arto Lindsay.

“Elogio à Desordem” também é o tema da oficina que Isidro Ferrer ministrará nas manhãs dos dias 5 e 6 de maio. Sempre destaque da programação, as oficinas são pensadas para todas as idades, assim como para profissionais e amadores. Nesta edição foram também convidados para ministrar oficinas para adultos o português André Letria, as chilenas Leonor Pérez e Maria José Ferrada, a mexicana Gimena Romero e a paulista Valquíria Prates. A colombiana Elena Landinez e a baiana Rebeca Silva comandarão as oficinas infantis; “Cidades Invisíveis” no dia 6 (sábado) e “Criança pinta muito – Seres fantásticos” no dia 7 (domingo).

Fonte: Ascom/Dimus

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *